Segurança? Qual segurança?

Como é que aquele adepto do Benfica, que mais parecia um mafarrico, salta da bancada e entra no terreno de jogo, para apertar o pescoço ao árbitro assistente José Ramalho sem que ninguém o tenha visto? Pois, boa pergunta. Não havia por ali um steward ou um polícia para o impedir? Pelos vistos parece que não. Se calhar estavam a jogar às cartas. Lamentável!

O Benfica agora é que paga. Sim, porque da multa já não se livra. E não deve ser pequena.



Benfica-FC Porto: Não deu para mais…


Katsouranis. Vamos começar por aqui. O defesa grego do Benfica esteve nos dois momentos cruciais do jogo. Primeiro agarrou, sem bola, Lucho dentro da àrea. Penalty que El Comandante não desperdiçou e colocou o FC Porto em vantagem pouco depois dos dez minutos de jogo. Um erro enorme de Katso. Depois, já na segunda parte, teve uma entrada a varrer sobre Rodríguez, quando já tinha amarelo. Viu o segundo e deixou a equipa com menos um. Quando o golo do empate tinha surgido a apenas dois minutos.

Jesualdo Ferreira inovou. Ao contrário do que era esperado, não colocou Hulk de início e modificou a táctica para um 4x4x2, em losango, que por vezes se desdobrava num 4x1x4x1. Fernando jogou como médio-defensivo, libertando Raul Meireles para o lado de Lucho González e Tomás Costa foi o elemento mais adiantado deste novo meio-campo. Quique Flores apostou em Reyes e Di María e enviou Urreta para a bancada – alguém percebeu esta? – fazendo com que Aimar continuasse no apoio a Cardozo. Com estas alterações, o FC Porto teve mais elementos no meio e conseguiu neutralizar Carlos Martins, uma das peças-chave deste Benfica.

Aos 11 minutos surgiu o golo do FC Porto. Primeiro tiro, primeiro melro. Lucho sofreu um penalty e encarregou-se de o converter. O jogo alterou-se, principalmente para o Benfica, que a partir deste momento teve que correr atrás do prejuízo. Seis minutos depois esteve mesmo perto de empatar, não fosse Lisandro cortar a bola mesmo em cima da linha. Um daqueles cortes que valem pontos. A resposta não se fez esperar. Rodríguez, imune aos assobios, arrancou pela esquerda, entrou na área e obrigou Quim a duas grandes defesas. O jogo estava bom, com ritmo. Muito discutido de parte a parte, bem disputado, mas muito quezilento. Perto do intervalo, o FC Porto voltou à carga. Lucho fez um passe soberbo para Lisandro, que rematou ao ferro da baliza de Quim. Podia ter sido o xeque-mate. Não foi e na jogada seguinte, Cardozo antecipando-se aos centrais portistas cabeceou por cima da baliza de Helton.

LISANDRO FALHA, CARDOZO NÃO

A segunda parte abriu com uma oportunidade flagrante para o FC Porto acabar com o jogo. Guarín, que entrou ao intervalo para o lugar de Tomás Costa, arrancou em direcção à baliza de Quim e ofereceu o golo a Lisandro, que rematou para a bancada. O argentino não costuma falhar assim, só com o guarda-redes à frente. Lisandro desperdiçou e foi a vez de Cardozo aparecer. Após um canto de Carlos Martins, Helton deu uma casa e o Tacuara empatou o clássico. Este golo poderia ser o alarme para o Benfica ir para cima do FC Porto. Foi então que Katsouranis foi novamente protagonista, quando se esqueceu da bola e foi direitinho às pernas de Rodríguez. Cartão vermelho na mão de Jorge Sousa e os encarnados reduzidos a dez. O jogo praticamente acabou aqui. Quique Flores tirou Cardozo e colocou Ruben Amorim para equilibrar a balança e o Benfica fechou-se no seu meio-campo, tentando apostar no contra-ataque, mas já faltavam pernas. Jesualdo fez o que lhe competia, arriscou. Colocou Hulk em troca com Fernando e mais tarde lançou Candeias em substituição de Raul Meireles. Os encarnados entregaram o jogo, mas o FC Porto não soube aproveitar a superioridade numérica, tentando muitas vezes resolvê-lo através de jogadas individuais. Ao Benfica valeu Quim nos últimos vinte minutos. Aos portistas, este empate soube a pouco.

DESTAQUES:

JORGE SOUSA: Impecável. Um erro aqui ou ali, mas que não mancham a exibição. O jogo não foi fácil, é verdade, mas Jorge Sousa esteve em grande. Ah, e foi muito bem auxiliado.

QUIQUE FLORES: Qual é a explicação para tantos problemas físicos? Aimar e Léo saíram por lesão. Reyes, Carlos Martins e Yebda chegaram ao fim em enormes dificuldades. Não se compreende. Até porque esta é só a segunda jornada.

JESUALDO FERREIRA: Gosta de inovar neste tipo de jogos. E a verdade é que, na Luz, a equipa esteve bem, não deixando o Benfica sair a jogar e criando várias oportunidades para ganhar. E desta vez arriscou e nunca se conformou com o empate.

MELHOR EM CAMPO: Quim. Foi enorme. Exibição perfeita.

Sorteio da Taça UEFA: complicado, muito complicado


Em contraste com o sorteio da Liga dos Campeões que deixou boas perspectivas para as equipas portuguesas, o sorteio da Taça UEFA foi pior. Bem pior.
O Vitória de Guimarães vindo da 3ª pré-eliminatória da Liga dos Campeões começa em Inglaterra, com o Portsmouth, equipa onde jogou Pedro Mendes até há bem pouco tempo; o Marítimo recebe os espanhóis do Valencia, equipa dos portugueses Miguel, Manuel Fernandes e Hugo Viana e é talvez a equipa portuguesa com tarefa mais complicada; Benfica joga com o Nápoles em Itália, uma equipa que está perfeitamente ao alcance; Vitória de Setúbal repete o jogo de há dois anos com o Heerenveen e por fim o Sp.Braga recebe os eslovacos do Artmedia. Sim, esses que ficaram conhecidos quando nos tempos de Adriaanse ganharam 3-2 no Dragão.

Em futebol tudo é possível. Por isso…

Suazo é reforço do Benfica

Mais um reforço para Quique. Outra prenda de Rui Costa. David Suazo, avançado de 28 anos, chega por empréstimo do Inter. E os italianos ficam com direito de preferência sobre… Di María. Suazo é um homem de área mas que nos nerazzurri de Mourinho não tinha lugar.

Confesso que fiquei surpreso com esta contratação. Não estava à espera. Mas Rui Costa não brinca em serviço.

Ronaldo x2

Cristiano Ronaldo foi eleito o melhor jogador da Liga dos Campeões 2007-08. Havia alguma dúvida? Não, acho que não. Ah, mas também foi o melhor avançado. E melhor marcador da prova. O que para um extremo não é nada mau. Drogba, Torres e Rooney ficaram pelo caminho.

Agora só falta ser o melhor do Mundo. Para a FIFA, bem entendido.

Sorteio da Champions

Não foi mau. O sorteio da Liga dos Campeões ditou grupos acessíveis, tanto ao FC Porto como ao Sporting. Os portistas têm pela frente o Arsenal, Fenerbahçe e Dínamo de Kiev. Equipas teoricamente mais fracas mas estádios com ambientes infernais. Arsenal à parte, claro está. Já o Sporting joga com Barcelona, Basileia e Shakhtar Donetsk. Podia ter sido bem pior. Agora é pôr a teoria em prática.

O sorteio completo:

Acabou o sonho do Vitória

Acabou o sonho. O Vitória de Guimarães não conseguiu chegar à fase de grupos da Liga dos Campeões. Mas tem razões de queixa. Em ambos os jogos da eliminatória.

O intenso ambiente do St. Jakob Park atarantou a equipa de Manuel Cajuda que nos primeiros quinze minutos somou erros atrás de erros. O pior aos 11 minutos, quando Flávio Meireles se esqueceu de subir e deixou Stocker em jogo, livre para marcar. Assim foi. Quatro minutos depois, surgiu uma grande penalidade. Bendita grande penalidade que Fajardo converteu e pôs o Vitória em vantagem na eliminatória. Assim se chegou ao intervalo.

A segunda parte começou quase como a primeira, com muitos erros. Numa boa jogada de Stocker, Derdyiok voltou a pôr o Basileia em vantagem. Manuel Cajuda arriscou o que tinha para arriscar, mas a equipa estava demasiado presa. A perder por 2-1, o Vitória nunca mostrou grandes argumentos que pudessem valer a passagem na eliminatória. Até ao minuto 80 em que a equipa acordou. Tornou-se mais pressionante, mais solta, mais guerreira. Foi então que surgiu o golo de Roberto. O golo que poderia fazer História. Mas não. O árbitro assistente anulou por fora-de-jogo. Inexistente. Que crueldade!


Acabou o sonho do Vitória. Foi pena ter sido assim.