Mundial 2010: Portugal-Coreia do Norte, 7-0 (crónica)

TUDO VALE A PENA SE A ALMA NÃO É PEQUENA

Portugal não gosta de jogar sob brasas. Ninguém deve gostar, aliás. Sempre que é favorito, encontrando equipas de menor qualidade, a selecção nacional tem tendência para se apagar, deixar-se ir na onda adversária, caindo nas teias que os rivais procuram lançar para impedir os seus avanços. Frente à Coreia do Norte, uma selecção frágil mas que estivera bem ante o Brasil, não havia volta dar: Portugal tinha mesmo, para se manter vivo, que vencer. Tremeu no início, acalmou com um golo de Raúl Meireles, o talismã decisivo, e embalou para um resultado histórico. Com naturalidade, marcou o segundo, o terceiro e o sétimo – sim, foram sete! – golos. As tormentas ficaram para trás. De vez? A exibição, pelo menos, convenceu: Raúl emergiu, Tiago deslizou pelo relvado, Fábio Coentrão explodiu.

Imagine-se a jogar contra um muro. Tenta, circula, encontra alternativas e o resultado é sempre o mesmo. Nunca consegue furar a barreira que tem à frente. A bola bate, vem para trás, recomeça-se o ciclo. Efeitos é que nada. Contra a Costa do Marfim, mesmo sem ser realmente incisivo, o jogo de Portugal foi isso. Com a Coreia do Norte, um adversário sem expressão e sem os gigantes costa-marfinenes, não seria muito diferente. Os coreanos defenderiam, Portugal atacaria, a resistência da muralha ditaria a sorte. Nestes casos, sempre que uma equipa quer marcar e outra quer defender, o tempo costuma ser decisivo. Diz-se, até, que o primeiro golo é o que custa mais. Depois daí, quando o caminho estiver aberto, será mais fácil. Chegar cedo à vantagem é a primeira premissa para o sucesso. Depois resta colocar em prática o talento.

A única diferença é que este é um muro activo. A Coreia do Norte, pelo que demonstrara com o Brasil ao colocar-se em bicos de pés perante o papão brasileiro, reclamou algum protagonismo. É uma selecção frágil e bem abaixo dos outros adversários do grupo. Isso é aceite. Mas não significa que, só por ser o patinho feio, não tenha as suas armas. Num dia bom, de inspiração, pode surpreender. O perigo para Portugal, num jogo de vitória obrigatória, estava precisamente no desconhecimento da selecção asiática, algo que poderia ser um mau início. Apesar de todas as preocupações defensivas, colocando-se em alerta máximo para travar a progressão portuguesa, a Coreia do Norte pretendia também aventurar-se no ataque. Mostrar que não era um mero figurante. Tae Sae e Pak Nam Shol assustaram Eduardo. Não seriam favas contadas.

RAÚL, ABRES A ENCOMENDA?

Portugal começara bem: a cabeçada de Ricardo Carvalho esbarrou no poste. Mas sem ser muito pressionante, falhando passes, a selecção portuguesa concedeu espaço para os avanços norte-coreanos. Chegou a tremer, com o fantasma do último jogo na memória, não marcando o seu território. A diferença havia de ser feita pela qualidade individual. E, aí, não restam dúvidas de que Portugal ganha de goleada. Raúl Meireles é um jogador que trabalha na sombra, nunca chegando ao estatuto de maior estrela, joga com afinco e cumpre o que lhe é pedido. Está lá sempre, por vezes algo escondido, conseguindo emergir nos momentos decisivos. Em Zenica, frente à Bósnia, carimbou a passagem para o Mundial. Com a Coreia repetiu-o: soltou-se, entrou na área, recebeu um passe soberbo de Tiago e fuzilou. Apareceu à socapa para quebrar o nulo.

O primeiro golo, o que se dizia ser o mais difícil, estava feito à meia-hora. Portugal encontrara uma brecha na defesa norte-coreana e marcara. Em vantagem, a selecção portuguesa ficou como gosta. Soltara-se das amarras, da pressão, poderia jogar a toda a largura, com tranquilidade, na busca de mais golos. Marcar mais, neste fase de grupos, pode ser crucial. A Coreia já demonstrara fragilidades e tinham de ser exploradas. Já sem a ânsia de marcar, de impedir que o nulo se prolongasse, entrando numa fase de ansiedade. Havia que manter o mesmo ritmo, a mesma intenção, sem baixar a guarda. Ficara bem visível que a Coreia não se iria desfazer das suas ideias, não arriscaria muito nem abriria mão das suas cautelas. Raúl Meireles, de novo aparecendo na área de Ri Myong Guk, falhou o segundo. Seria ouro.

UMA COREIA À MERCÊ DA FÚRIA PORTUGUESA

Kim Jong Hun teria que fazer algo mais. Chegara ao intervalo a perder. A sua Coreia do Norte tivera um início auspicioso, com algumas situações incómodas para Portugal, mas acabara por ficar submersa. O golo de Raúl Meireles quebrara os coreanos. Importava, por isso, procurar algo mais, ser mais expedito. Portugal não o permitiu. Entrou determinado, ambicioso, diabólico. Em sete minutos, com uma intensidade ofensiva altíssima, jogando bem, mostrando enfim a sua técnica, a selecção portuguesa matou as aspirações coreanas. Tudo correu às mil maravilhas. Simão marcou assistido por Raúl Meireles, novamente jogando em profundidade, nas costas da ingénua defesa da Coreia do Norte. Hugo Almeida e Tiago, em cima da hora de jogo, engordaram o resultado. Com naturalidade. Firmando as diferenças entre as duas equipas.

A Coreia do Norte, a partir do quarto golo, acenou a bandeirinha branca. Rendera-se, estava entregue. Já perdera a razão, restava o coração. Esperava por clemência. Não a teve. Nem poderia, porque, como se disse, os golos poderão decidir as contas do apuramento. Hiper-moralizado, com o tudo a seu favor e sempre encontrando espaço para progredir, Portugal quis ainda mais. Estava confortável, jogando bem, imperial sobre o relvado. A finalização, tantas vezes uma maldita dor de cabeça, mantinha-se com uma percentagem categórica. Faltava Cristiano Ronaldo. O avançado do Real Madrid assistira Tiago para o quarto golo, mas continuava a faltar-lhe marcar. Tentou-o. Correu, fintou, entrou na área. Não conseguiu. Acertou, de novo, nos ferros da baliza contrária, como no jogo de estreia. Estava guardado para o final.

Antes disso, porém, houve ainda Liedson. O Levezinho foi suplente, cedendo o seu lugar a Hugo Almeida, que respondeu com um golo, mas entraria. Era um bom momento para se reencontrar com os golos. Foi por seu intermédio que surgiu o quinto tento português. Uma mão-cheia, tudo óptimo, tudo nos conformes. Ronaldo lá continuava a tentar. Meneia a cabeça, sorri, nada feito. Mas a sorte, antes de costas voltadas, havia de estar com ele: isolou-se, tentou passar pelo guarda-redes Ri, foi travado, a bola saltou-lhe para o pescoço, deslizou e caiu no pé. Golo numa baliza deserta. Não estivera muito em jogo, demonstrara dificuldades, mas ganhara no final. Para terminar, fixando um resultado histórico, Tiago, de cabeça, bisou. Sete golos, moral em alta, passo importante rumo aos oitavos-de-final. O Mundial começou agora, Portugal!

Anúncios

4 thoughts on “Mundial 2010: Portugal-Coreia do Norte, 7-0 (crónica)

Comentar. Com qualidade e com opinião própria. Sem ofensas e sem excessos.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s